Mostrando postagens com marcador lendas. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador lendas. Mostrar todas as postagens

sábado, 15 de agosto de 2009

Negrinho do Pastoreiro





Esta História muitas pessoas dizem que aconteceu, a muito tempo atrás no Estado do Rio Grande do Sul, na época da escravidão , pois o Negrinho do Pastoreio era um escravo,vivia numa fazenda de um rico fazendeiro,na lenda só há relatos de algumas pessoas que moravam na fazenda e participam diretamente da vida do Negrinho Pastoreio,eram além do fazendeiro,o filho do dono da fazenda um garoto muito perverso que se divertia com malvadezas contra o Negrinho do Pastoreio,e um escravo de confiança.


Segundo a lenda , o Negrinho do Pastoreio não era muito querido pelos patrões, não tinha nome , razão pela qual foi sempre foi chamado assim,e não foi batizado sendo assim ele próprio atribui-lhe como Madrinha Nossa Senhora, que segundo afirmam costumava aparecer para ajudá-lo.


Segundo afirmam, o Negrinho do Pastoreio era um escravo de um rico fazendeiro, e o que tinha de riqueza tinha de maldade no coração,este fazendeiro não era de ter amigos, nem fazer amizades, um homem de poucos diálogos, que gostava mesmo é de provocar o mal para outras pessoas.
Devido a sua maldade a ajuda que era comum nas tarefas de lido do Campo não existia, e sobrava mais trabalho era para o Negrinho do Pastoreio,que além de trabalhar muito era pouco e mau alimentado.


Todas as madrugadas o Negrinho galopeava o Cavalo de corrida baio(cor castanho), depois conduzia os avios do chimarrão
Um dia, depois de muita discussão, o fazendeiro apostou uma corrida com um vizinho,que queria que o prêmio fosse para os pobres, más o fazendeiro não queria assim ,ele queria que o prêmio deviria ficar com o dono do cavalo que ganhasse. E resolveram correr uma distância de aproximadamente medida 60 braças ( 132 m), e o prêmio, mil onças de ouro (onças = Peso brasileiro antigo, equivalente à décima sexta parte do arrátel,ou seja, antiga unidade de peso equivalente a 16 onças, ou 459 gramas.)


No dia marcado na cancha(lugar em que se realizam corridas de cavalos)havia bastante gente.Entre os cavalos de corrida o povo não sabia se decidir, tão perfeito cada um dos animais, o cavalo baio(castanho) tinha fama de que quando corria, corria tanto, que o vento assobiava-lhe nas crinas; tanto que só se ouvia o barulho, mas não se lhe viam as patas baterem no chão. E do cavalo mouro
( cavalo escuro mesclado de branco) era que era bastante resistente.
As apostas começara a ser feitas.Os corredores fizeram suas demonstrações à vontade e depois as obrigadas; e quando foi na última, fizeram ambos a sua senha e se convidaram. E preparando o corpo, de rebenque(pequeno chicote) no ar, largaram, os cavalos como de estivessem nomeando seus galopes .


- Empate! Empate! Gritavam os aficionados ao longo da cancha por onde passava a corrida veloz..
- Valha-me a Virgem madrinha, Nossa Senhora ! gemia o Negrinho.
Se o sete-léguas perde, o meu senhor me mata .E baixava o rebenque, cobrindo a marca do baio.


- Se o corta-vento ganhar é só par os pobres ! Retrucava o outro corredor.
E cerrava as esporas no mouro.
Mas os corredores corriam, emparelhados. Quando foi os últimos metros, o mouro vinha correndo muito e o baio não ficava atrás mas sempre juntos, sempre emparelhados.
E perto da chegada o baio diminui o ritmo, de modo que deu ao mouro tempo mais que preciso para passar, ganhando facilmente .E o Negrinho ficou abismado.


- Foi uma corrida ruim! Gritava o fazendeiro.
- Mau jogo! Secundavam os outros de sua parceria.


O povo estava dividido no julgamento da carida,mas o juiz que era um velho do tempo da guerra de Sepé Tiaraju, era um juiz macanudo, que já tinha visto muito mundo.


- Foi na lei! A carreira é de parada morta; perdeu o cavalo baio, ganhou o cavalo mouro. Quem perdeu que pague. E u perdi sem gateadas; quem as ganhou venha buscá-las. Foi na lei !.Não havia o que alegar. Despeitado e furioso, o fazendeiro pagou a parada, à vista de todos, atirando as mil onças de ouro sobre o poncho do seu contrário, estendido no chão.E foi uma alegria por aqueles pagamentos, porque logo o ganhador mandou distribuir aos pobres.


O fazendeiro retirou-se para sua casa e veio pensando, pensando, calado, em todo o caminho. A cara dele vinha lisa, mas o coração vinha corcoveando como touro de banhado laçado a meia espalda... O trompaço das mil onças tinha-lhe arrebentado a alma.


E conforme apeou-se, da mesma vereda mandou amarrar o Negrinho pelos pulsos a um palanque e dar-lhe uma surra de relho.Na madrugada saiu com ele e quando chegou no alto da coxilha falou assim:


- Trinta quadras tinha a cancha da carreira que perdeste: trinta dias ficarás aqui pastoreando a minha tropelia de trinta tornilhos negros... O baio fica de piquete na soga e tu ficarás de estaca!


O Negrinho começou a chorar, enquanto os cavalos iam pastando.
Veio o sol, veio o vento, veio a chuva, veio a noite. O Negrinho, varado de fome e já sem forças nas mãos, enleou a soga num pulso e deitou-se encostado a um cupim.
Vieram então as corujas e fizeram a roda, voando, paradas no ar, e todas olhavam-no com os olhos reluzentes, amarelos na escuridão. E uma piou e todas piaram, como rindo-se dele, paradas no ar, sem barulho nas asas.
O Negrinho tremia, de medo...porém de repente pensou em sua madrinha Nossa Senhora e sossegou e dormiu.


E dormiu. Era já tarde da noite, iam passando as estrelas; o cruzeiro apareceu, subiu e passou; passaram as Três-Marias; a estrela d’alva subiu... Então vieram os guaraxains ladrões e farejaram o Negrinho e cortaram a guasca da soga. O baio sentindo-se solto rufou a galope, e toda a tropilha com ele, escaramuçando no escuro e desguaritando-se nas canhadas.


O Escravo acordou o Negrinho; os guaraxains fugiram, dando berros de escárnio.
Os galos estavam cantando, mas nem o céu nem as barras do dia se enxergava: era a cerração que tapava tudo.


E assim o Negrinho perdeu o pastoreio. E chorou.
O menino maleva foi lá e veio dizer ao pai que os cavalos não estavam.
O estancieiro mandou outra vez amarrar o Negrinho pelos pulsos a um palanque e dar-lhe, dar-lhe uma surra de relho.


E quando era já noite fechada ordenou-lhe que fosse campear o perdido. Rengueando, chorando e gemendo, o Negrinho pensou em sua madrinha Nossa Senhora e foi ao oratório da casa, tomou o coto de vela aceso em frente da imagem e saiu para o campo.
Por coxilhas e canhadas, nas beira dos lagoões, nos paradeiros e nas restingas, por onde o Negrinho ia passando, a vela benta ia pingando cera no chão: e de cada pingo nascia uma nova luz, e já eram tantas que clareava tudo. O gado ficou deitado, os touros não escarvaram a terra e as manadas xucras não dispararam... Quando os galos estavam cantando, como na véspera, os cavalos relincharam todos juntos. O Negrinho montou no baio e seguiu por diante a tropilha, até a coxilha que o senhor lhe marcara


E assim o Negrinho achou o pastoreio e se riu ...
Gemendo, gemendo, o Negrinho deitou-se encostado ao cupim e no mesmo instante apagaram-se as luzes todas; e sonhando com a Virgem, sua madrinha, o Negrinho dormiu. E não apareceram nem as corujas agoureiras nem os guaraxains ladrões; porém pior do que os bichos maus, ao clarear o dia veio o menino, filho do estancieiro e enxotou os cavalos, que se dispersaram, disparando campo afora, retouçando e desguaritando-se nas canhadas.
O tropel acordou o Negrinho e o menino maleva foi dizer ao seu pai que os cavalos não estavam lá...


E assim o Negrinho perdeu o pastoreio. E chorou...
O estancieiro mandou outra vez amarrar o Negrinho pelos pulsos a um palanque e dar-lhe uma surra de relho... dar-lhe então até ele não mais chorar nem bulir, com as carnes recortadas, o sangue vivo escorrendo do corpo... O Negrinho chamou pela Virgem sua madrinha e Senhora Nossa, deu um suspiro triste, que chorou no ar como uma música, e pareceu que morreu...


E como já era de noite e para não gastar a enxada em fazer uma cova, o fazendeiro mandou atirar o corpo do Negrinho na panela de um formigueiro, que era para as formigas devorarem-lhe a carne e o sangue e os ossos... E assanhou bem as formigas; e quando elas, raivosas, cobriram todo o corpo do Negrinho e começaram a trincá-lo, é que então ele se foi embora, sem olhar para trás.
Nessa noite o estancieiro sonhou que ele era ele mesmo mil vezes e que tinha mil filhos e mil negrinhos, mil cavalos baios e mil vezes mil onças de ouro... e que tudo isto cabia folgado dentro de um formigueiro pequeno.Caiu a serenada silenciosa e molhou os pastos, as asas dos pássaros e casca das frutas.


Passou a noite de Deus e veio a manhã e o sol encoberto.
E três dias houve cerração forte, e três noite o estancieiro teve o mesmo sonho.
A peonada bateu o campo, porém, ninguém achou a tropilha e nem rastro.
Então o senhor foi ao formigueiro, para ver o que restava do corpo do escravo.
Qual não foi o seu grande espanto, quando chegado perto viu na boca do formigueiro o Negrinho de pé, com a pele lisa, perfeita, sacudindo de si e as formigas que o cobriam ainda!...O Negrinho de pé, e ali ao lado, o cavalo baio e ali junto, a tropilha dos trinta tordilhos... e fazendo-lhe frente, de guarda ao mesquinho, o estancieiro viu a madrinha dos que não atêm, viu a Virgem, Nossa Senhora, tão serena, pousada na terra, mas mostrando que estava no céu... Quando tal viu, o senhor caiu de joelhos diante do escravo.
E o Negrinho sarado e risonho, pulando de em pêlo e sem rédeas, no baio, chupou o beiço e tocou a tropilha a galope.
E assim o Negrinho pela última vez achou o pastoreio.
E não chorou, e nem se riu.
Correu no vizindário a nova do fadário e da triste morte do Negrinho, devorado na panela do formigueiro.
Porém logo, de perto e de longe, de todos os rumos do vento, começaram a vir notícias de um caso que parecia um milagre novo...
E era, que os posteiros e os andantes, e os que dormiam sobre as palhas dos ranchos e os que dormiam na cama das macegas, os chasques que cortavam por atalhos e os tropeiros que vinham pela estrada, mascates e carreteiros, todos davam notícia - da mesma hora - de ter visto passar, como levada em pastoreio, uma tropilha de tordilhos, tocada por um Negrinho, gineteando de me pêlo, em um cavalo baio!...


Então, muitos acenderam velas e rezaram um Padre-nosso pela alma do judiado. Daí por diante, quando qualquer cristão perdia uma cousa, o que fosse, pela noite velha o Negrinho campeava e achava, mas só entregava a quem acendesse uma vela, cuja luz ele levava para pagar a do altar da sua madrinha, a Virgem, Nossa Senhora, que o remiu e salvou e deu-lhe uma tropilha, que ele conduz e pastoreia, sem ninguém ver.
Todos os anos, durante três dias, o Negrinho desaparece: está metido em algum formigueiro grande, fazendo visita as formigas, suas amigas; a sua tropilha esparrama-se; e um aqui, outro por lá, os seus cavalos retouçam nas manadas das estâncias. Mas ao nascer do sol do terceiro dia, o baio relincha perto de seu ginete; o Negrinho monta-o e vai fazer sua recolhida; é quando nas estâncias acontece a disparada das cavalhadas e a gente olha, olha, e não vê ninguém, nem na ponta, nem na culatra.
Desde então e ainda hoje, conduzindo o seu pastoreio, o Negrinho, sarado e risonho, cruza os campos, corta os macegais, bandeia as restingas, desponta os banhados, vara os arroios, sobe as coxilhas e desce às canhadas.
O Negrinho anda sempre à procura dos objetos perdidos, podo-os de jeito a serem achados pelos seus donos, quando estes acendem um coto de vela, cuja luz ele leva ao altar da Virgem Senhora Nossa, madrinha dos que não a têm.
Quem perder suas prendas no campo, guarde esperança: junto de algum moirão ou sob os ramos das árvores, acenda uma vela para o Negrinho do pastoreio e vá lhe dizendo - Foi por aí que eu perdi... Foi por aí que eu perdi...Foi por aí que eu perdi !

A Lenda do Guaraná



Conta a lenda que um casal de índios Maués, viviam juntos a muitos anos e ainda não tinham filhos. Um dia, pediram a Tupã para dar-lhes uma criança. Tupã atendeu o desejo do casal e deu-lhes um lindo menino, que cresceu cheio de graça e beleza e se tornou querido de toda a tribo.




No entanto, Jurupari, o Deus da escuridão e do mal, sentia muita inveja do menino e decidiu matá-lo. Certo dia, quando o menino foi coletar frutos na floresta, Jurupari aproveitou para se transformar numa serpente venenosa e matar o menino. Neste momento, fortes trovões ecoaram por toda a aldeia, e relâmpagos luziam no céu em protesto.




A mãe, chorando em desespero ao achar seu filho morto, entendeu que os trovões eram uma mensagem de Tupã. Em sua crença, Tupã dizia-lhe que deveria plantar os olhos da criança e que deles nasceria uma nova planta, dando saborosos frutos, que fortaleceria os jovens e revigoraria os velhos. E os índios, plantaram os olhos da criança e regavam todos os dias. Logo mais, nesse lugarzinho onde foi enterrado os olhos do indiozinho, nasceu o Guaraná, cujos frutos, negros como azeviche, envoltos por uma orla branca em sementes rubras, são muito semelhantes aos olhos dos seres humanos.


Doroni Hilgenberg sobre a obra
Esta lenda é um pouco mais complexa, mas como o texto foi adaptado para criança, assim ficou. O conteúdo é o mesmo.

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

O boitatá


                                                                                                            Introdução


Também conhecido como "fogo que corre", o boitatá, no folclore brasileiro, é uma grande cobra de fogo. Este bicho imaginário foi citado pela primeira vez em 1560, num texto do padre jesuíta José de Anchieta. Na língua indígena tupi, "mboi" significa cobra e "tata" fogo.
A lenda no Norte e Nordeste

De acordo com a lenda, o boitatá protege as matas e florestas das pessoas que provocam queimadas. O boitatá vive dentro dos rios e lagos e sai de seu "habitat" para queimar as pessoas que praticam incêndios nas matas. De acordo com esta lenda, o boitatá possui a capacidade de se transformar num tronco de fogo.
A lenda no Sul
Numa lenda do sul do Brasil, a explicação para o surgimento da cobra de fogo está relacionada ao dilúvio (história bíblica que fala sobre a chuva que durou 40 dias e 40 noites). Após o dilúvio, muitos animais morreram e as cobras ficaram rindo felizes, pois havia alimento em abundância. Como castigo, a barriga delas começou a pegar fogo, iluminando todo o corpo.
Explicação científica:
- Pesquisadores afirmam que esta lenda está associada aos incêndios, que ocorrem espontaneamente em função da queima de gases oriundos da decomposição de material orgânico.
http://sonaopodetirarum.com/2012/04/10/dnd-4e-monstros-boitata






Arara Azul